Colocando o livro na planilha

Hoje escrevo aqui pra contar pra vocês (mas principalmente para a Francine do futuro, e provavelmente um futuro muito próximo) que no andar da carruagem as melancias se ajeitam. Parei de trabalhar oficialmente no início de dezembro e demorou – porque demora mesmo, especialmente se você tende a se autossabotar e se você tem milhares de coisas para resolver – mas finalmente consegui pegar a rotina do livro pelas orelhas e cuidar dela. E digo que agora falta colocá-la na planilha e transformar essa planilha em cronograma para cumprir a meta de terminar o livro da minha vida em maio de 2018.

Acho muito engraçado (ou trágico?) que eu tenha tanta disciplina para fazer cumprir rotinas, mas não tenha bastante força de vontade (ou vergonha na cara?) para cumprir cronogramas caso eu não tenha um compromisso assinado com alguém e/ou um pagamento logo em vista. Nem (ou muito menos?) se o compromisso assinado for comigo mesma.

O que dizer?

É um blog sobre criação,

Então não preciso pedir desculpas pela quantidade de textos falando sobre a bebê por aqui, né? Afinal, faz 9 meses que estou criando minha obra prima aqui dentro de mim (obra prima essa que já está a ponto de ser lançada, e exatamente nesse momento está soluçando aqui dentro da minha barriga [sim, se você não sabia, saiba agora: bebês soluçam aqui dentro e é uma sensação sensacional!]).

Devo dizer que poderia estar mais contente com o avanço da minha produtividade em relação ao meu livro nesse início de licença maternidade criativa (que também pode ser chamado de meu sabático de 6 meses, se você considera um sabático uma fase em que você anda mais ocupada do que o normal), mas estou contentinha. Semana passada foi a última da gestação em que não havia chance de a bebê nascer (digo, até haveria, mas seria mais difícil, pois ela seria prematura), então foi a semana para dar retoques finais em tudo nessa vida pré-natal. E foi uma delícia e foi exaustiva pacas. Fora o fato de eu estar carregando três quilos se mexendo aqui dentro da barriga, resolvemos mil coisas, entre burocracias do INSS e roupinhas lavadas.

Primeiro, tivemos o chá de bebê, que foi uma delícia. Recomendo para aqueles que estão pensando se vale a pena fazer o chá ou não: vale! É demais! Não só porque você ganha muitas fraldas (obrigada, amiguinhos!), mas porque é uma festa de celebração para o bebê, numa fase em que você ainda não estará ocupada com fraldas e outras coisas que ainda não sei que existem. E as pessoas ao redor estão tão felizes e você descobre que não estará sozinha nessa empreitada tão louca! Meu chá de bebê não foi mirabolante como muitas pessoas que conhecem a Sras&Srs esperariam, mas é simplesmente porque eu e o Julio somos assim: felizes demais para nos preocupar com muitos detalhes. Conceito eu coloco só nos casamentos dos meus clientes. Nos meus eventos o conceito é ser feliz e muito prático. 😀 Valorizamos mais uma boa comilança e um atendimento bacana que uma decoração impecável. Assim, não contratamos decoração e deixamos tudo por conta da equipe do Quitandarte um café simpatícissimo em Pinheiros que fechou só para nosso evento. A Iara, dona do espaço, fez um BOLO MARAVILHOSO para acompanhar a comilança, minha mãe fez um enfeite fofo para o bolo e nós pegamos alguns dos patinhos de nossa coleção para compor a mesa. Simples assim.

Também não fizemos brincadeiras tradicionais (nem não tradicionais, a bem da verdade). O ponto alto da festinha foi uma ideia que tivemos antes mesmo de estarmos grávidos: a apresentação dos padrinhos da Rebeca. Como alguns aí devem saber, eu e marido somos meio às avessas quando o assunto é tradição religiosa. Nossa expectativa é que a menina  decida se, quando e onde se batizar quando já estiver mais crescidinha. Por isso, esses padrinhos-de-nascimento não seriam necessariamente padrinhos de batismo. Mas sim padrinhos de vida! 🙂 Assim, decidimos por bem que TODOS OS CONVIDADOS DO CHÁ seriam os padrinhos dela. Cada família ganhou um certificado de padrinhos e uma missão específica, adequada ao estilo e personalidade de cada uma. Assim, a bebê já nascerá com um monte de amigos e familiares responsáveis por cada um dos aspectos de sua vida, incluindo aí “ensinamentos sobre o metaaaaaaaaaal” e “indicações de literatura fantástica”. Foi uma ideia simples e deliciosa. Nos divertimos demais!

Fora o chá de bebê, que já deixou minhas pernas bem cansadinhas (a pessoa nunca usa salto na vida e resolve tirar do armário a sandália de salto, com 9 meses de barriga!), minha mãe passou em casa e lavamos as roupinhas da bebê. Devo dizer: o cheiro de bebê pela casa e o varal cheio de mini-roupas é um susto maravilhoso! Aproveitei para fazer a mala da maternidade, com cada roupa separadinha, lista escrita no computador e tudo mais porque somos meio organization-freaks aqui em casa (e porque o hospital pede uma lista gigante de roupas, uma loucura).

Aí, para finalizar, rolou a arrumação final da casa! O quarto da bebê está 99% pronto e o quarto dos papais também. Só falta pendurar os quadros! Sim, você leu certo: o quarto dos papais também ganhou um upgrade. Isso porque em 7 anos de terapia eu descobri que se direcionasse todo o capricho, mudança, cores alegres e carinho apenas para o quarto da bebê, esse poderia ser o primeiro passo para daqui a alguns anos eu olhar para o meu quarto sem cores e sem móveis novos e falar “ME ESQUECI DE MIM E SÓ PENSEI NA MINHA FILHA OH NÃOOOO” e isso, meus amiguinhos, não pode acontecer. <3 Mas só vou colocar fotos do quarto da bebê aqui por motivos de É MUITO MAIS FOFO E GERA MAIS CLIQUES. Estou muito orgulhosa desse quarto. No início da gestação eu tinha planos um tanto quanto blogueirísticos de contratar um arquiteto pra fazer esse quarto, mas aí percebi que a gente ia dar conta de fazer tudo sozinhos, e ainda ia conseguir fugir daquele padrão “escandinavo”, cinzinha mimiminho que tá na moda (ai gente, quero cores, cores!!!!). E enfim, saiu assim. Taí o fofucho, desenhado em detalhes só por mim, meu marido e minha mamis. E o mais legal: sem gastar os tubos, até porque reaproveitamos muitas coisas que já tínhamos aqui em casa (nessas horas, é muito bom gostar de móveis e objetos com cara de criança)! As fotos não ficaram incríveis porque tirei com meu celular ruim. Um dia levarei mais a sério a qualidade da mídia desse blog, diz ela, sem acreditar.

As contas de instagram mais legais para inspirar seu 2018

Essa semana teve a continuação de minha eterna preguiça com stories inúteis e instagrams mal-utilizados. Se eu abro um stories que começa com um “oi gente”, as chances de eu pular sem ver o que vem depois são grandes. São raras as exceções, vindas de amigos extremamente engraçados que tenho e que hackearam o stories de uma maneira maravilhosa. Mas em geral o oi gente é código pra eu passar pra frente. Isso vale para “influencers” (ô nominho lindo) e mais ainda para pessoas que agem como influencers sem ter nem 200 seguidores. Acho meio tristeza do jeca comunicar de maneira grandiosa o local onde você está indo cortar seu cabelo para 3 pessoas que não se importam.

Se você também anda assim meio cansada ou cansado e quer ver algo diferente na sua timeline, talvez goste de um desses instagrams que fazem o meu dia:

  • O instagram do Hugh Jackman – @thehughjackman. Não (só) porque ele é bonito e talentoso. Mas porque ele é uma figura. O instagram dele é de gente-como-a-gente, cheio de selfies de péssima qualidade e piadas de tiozão. É praticamente o oposto do “influencer de 5 fãs”. Ele tem 15 milhões de seguidores, mas age como aquele seu tio que só posta fotos pra família.

  • O instagram da Geri Halliwell – @therealgerihalliwell. Exatamente pelas mesmas razões. A diferença é que a ex-Spice Girl que faz aniversário exatamente no mesmo dia que eu hoje vive a vida que pedi a Deus, cozinhando receitas que nem sempre dão certo, tocando piano e cuidando de seus dois filhos em uma casa linda na Inglaterra.

  • O instagram do Milo Ventimiglia – @miloanthonyventimiglia. O eterno Jess Mariano de Gilmore Girls estava sem postar há anos e voltou com tudo esses dias. O mais engraçado? O instagram do ator é exatamente o que eu imagino que seria o instagram do Jess. É bem mais caprichado que os dois acima, mas ainda entra na série “instagrams de celebridades que não são geridos pela agência de PR”. O cara é cool até não poder mais.

  • Agora se você quer ver um pouco de beleza mais calculada e se inspirar com uma família que viaja pelo mundo e está sempre em lugares fantásticos (com uma menina pequena), seu instagram é What’s For Breakfast – @whatforbreakfast. Comecei a seguir porque achava que era um instagram especializado em cafés da manhã (minha refeição favorita) – e, embora não seja, acabou me ganhando!

  • Ainda na linha do acima, o famoso Girl Eat World – @girleatworld traz as comidas que uma moça come enquanto viaja. As fotos são lindas e a ideia, extremamente simples.

  • O instagram da @ilonaroycesmithkin também é outra coisa linda. Conheci essa artista doidinha de 97 anos de idade pelo Advanced Style e desde então sigo sua vida. As legendas das fotos são inspiradoras e me animam a não desanimar com 30 anos de idade. Porque quero chegar aos 97 como ela!

  • E só pra não ficar nos gringos, o brasileiro @encolhiaspessoas é um capricho só!

Espero ter ajudado a deixar suas scrolladas no instagram menos egomaníacas e mais divertidas!

 

Nota: esses links não são patrocinados, são coisas das quais eu gosto genuinamente. Se algum dia eu postar links de coisas que eu goste genuinamente e ainda começar a ganhar dinheiro com isso (quem dera!), avisarei vocês 😉

 

Rich people in money getting richer

Então o famigerado programa do Jerry Seinfeld, o Comedians in Cars Getting Coffee (“Comediantes em Carros Tomando Café, traduzido aqui no Brasil de forma totalmente sem talento para comédia para “Café com Seinfeld” [??]) estreou no Netflix. Como aqui em casa estamos numa onda revival de Seinfeld (estamos assistindo a todos os episódios, na ordem, uma experiência nova para quem acostumou a ver e rever Seinfeld na TV a cabo, sem se importar com ordem ou saber em que temporada o programa estava), só pareceu lógico começarmos a assistir.

E eu… tenho sentimentos conflitantes em relação ao programa. Na realidade, ele dá inveja e eu não sei bem como lidar com essa sensação. Como não acredito em inveja branca, posso dizer que tenho uma espécie de inveja multicolorida do Seinfeld. Simplesmente porque ele deu a sorte (ou a competência, vá) de emplacar uma das séries mais bem sucedidas da história e… chegou lá. Tá bom, tá bom, ele trabalhou bastante até chegar na série, ele tem talento (o que já é bem mais que muita gente que “chegou lá” hoje em dia)… mas depois de 10 anos de série ele parou. Fez um hit. Deu certo. Não insistiu. E conseguiu: Jerry Seinfeld é hoje uma das 10 celebridades mais ricas dos Estados Unidos.

E depois de anos sem muitos projetos, ele decidiu, aos cinquenta e poucos anos de idade, fazer mais um programa sobre o nada. Acontece que a diferença entre a série Seinfeld e “Comedians in Cars” é que enquanto o primeiro é um programa sobre o nada, o novo programa é um programa sobre o nada… com muito dinheiro. Deixa eu explicar a premissa: a cada episódio, Seinfeld escolhe um carro de coleção (ele coleciona… carros), fala sobre como o carro é sensacional e vai buscar um comediante para, junto com ele, tomar café. E aí? E aí eles conversam. Não, não estou falando de uma entrevista com perguntas premeditadas ou de alguma conversa profunda com cada ator. É apenas uma conversa entre duas pessoas tomando café, falando sobre banalidades da vida. É… simples. É Jerry Seinfeld fazendo o que gosta e vivendo sua vida de carros chiques e buscando atores em suas casas (é cada casa maravilhosa!!!), falando sobre suas vidas de estrelas.

O mais engraçado, no entanto, é que não sou só eu que tenho essa impressão de “Jerry, seu grande filho da mãe, você chegou lá e fica esfregando isso na nossa cara, né?”. A grande maioria dos entrevistados (ou seria melhor dizer conversados?) fala sobre isso, dá uma zoadinha básica. Ou seja: até as celebridades ricas têm inveja multicolorida do Jerry Seinfeld.

Por que o que é mais “chegar lá” na vida que, aos cinquenta e poucos anos de idade, fazer um programa sobre NADA, unindo suas paixões, pra você se divertir sem muito esforço enquanto, sem querer, grava uma série (e ganha mais um dinheirinho com isso)?.

É isso. Só vou considerar que cheguei lá quando puder fazer isso. Um Escritores em Carrosséis tomando Milkshake, talvez.

E essa série veio com um timing ma-ra-vi-lho-so. Na última semana de 2017 eu decidi (o mais correto seria dizer precisei desesperadamente) voltar pra terapia. E nessa volta, minha psicóloga me fez o favor de jogar na minha cara (quase que literalmente) uma pergunta que me fez engasgar bastante. Algo como “você quer ou não ser bem-sucedida?”. Engasguei, não sabia o que responder. Foi lindo.

E aí surgiu a epifania e entendi o que foi que eu fiz de errado. Porque percebi que ainda gosto muito da expressão “chegar aqui” que cunhei em um post ano passado, ela é  verdadeira e bonita etc… maaaaaaas percebi demais nos últimos tempos que é preciso reconhecer o “chegar aqui” sem perder a vontade de também “chegar lá”.

Senão, sempre aqui, a vida fica assim meio sem sonho.

Que agradeçamos o aqui, mas continuemos sonhando com os lás da vida. E eles podem ser bonitos e podem ser gananciosos e podem ser sensacionais, uma coisa não exclui a outra!

Coisa de menino, coisa de menina e slow life

Essa semana teve:

  • Vontade de compartilhar dois sites “de menino”. Como feminista que não gosta do fato da expressão feminista ser positiva (para as pessoas legais) e a expressão machista ser ruim (para todos), defendo, acima de tudo, um mundo IGUAL. Em que homens e mulheres sejam legais uns com os outros e entre si e no qual feminismo e “masculismo” sejam coisas boas e respeitosas. Enfim, um mundo em que mulheres possam ter sites bacanas, feministas e curiosos dedicados a elas… e homens também, sem ninguém ser simplista, sexista ou desrespeitar um ao outro. Digo isso porque vejo muito site que incentiva mulheres a construírem uma comunidade positiva e interessante por aí (Bust, Hello Giggles…) e não vejo tanto site masculino que faz isso de maneira clara ou proposital! Mas conheço dois sites com foco em homens que, se não fazem isso por querer, deveriam fazer. Na realidade, acabei levando esse parágrafo para esse lado, inclusive, porque, descobri hoje que um site que acesso sempre, o Uncrate, é na verdade um site “para homens”. Achei engraçado descobrir que eu acompanhava um “site para homens” sem saber que rolava esse guideline. Bom sinal para o site, não? É voltado a um público, mas sem estereótipos. Sem mais delongas, tá aqui: se você busca vídeos divertidos e curiosos para ser o(a) compartilhador(a) de coisas legais em 2018, aproveite a ala de vídeos do Uncrate. Confesso que nunca li os textos do site em si (então se tiver algo bizarro por lá, me perdoem de antemão), mas os vídeos eu garanto. Agora, outro site másculo do qual eu gosto é o The Art of Manliness, cheio de textos e praticalidades sobre a vida, na teoria voltados para homens, mas que eu consigo curtir, mesmo não tendo os hormônios para tanto.

 

  • A descoberta do fim do ano: um aplicativo de manicures (tipo um uber de manicures) que realmente funciona! O Singu salvou minha vida nas festas de final de ano. Eu já tinha tentado usar outros aplicativos nesse estilo antes e sempre me dei mal. Com esse, foi diferente: até agora, usei o serviço 3 vezes – e tive ótimas experiências. Ótimas nível ESMALTE DURANDO MAIS DE UMA SEMANA, o que era uma raridade pra mim até hoje. O atendimento é sensacional, os e-mails são super fofos e atentos. Tanto gostei que decidi trocar meu salão agradável (mas looonge, eram 15 minutos de caminhada – com o barrigão desse tamanho já cansa!) por esse aplicativo em 2018! Oremos para que não vire REALMENTE o uber das manicures, que aí a qualidade vai começar a cair e começar a aparecer a versão-manicure daquele uber delícia fedido, tocando Rádio Disney, com ar condicionado desligado em pleno verão e perguntando sobre a minha vida pessoal sem convite… enfim, vocês entenderam.

 

  • E, por fim, o blog Local Milk. Não é uma descoberta recente de maneira alguma, já que leio esse blog há anos – amo os textos dela, são super pessoais e ao mesmo tempo uma delícia de ler, algo que acho difícil de fazer. O que acontece é que no último dia do ano passado decidi assinar a newsletter do blog e descobri… que é isso. Descobri que quero levar uma vida mais ou menos assim a partir de 2018. Mais blog, mais texto, mais comida gostosa, mais aconchego, mais beleza, menos correria, menos a ver com o lema dessa cidade maravilhosa (?) em que vivo, que é TRABALHO, TRABALHO, TRABALHO, o slogan de cidade mais triste que já vi na vida.

 

Prefiro JOY, JOY, JOY. E é atrás dela que vou.

 

 

Nota: esses links não são patrocinados, são coisas das quais eu gosto genuinamente. Se algum dia eu postar links de coisas que eu goste genuinamente e ainda começar a ganhar dinheiro com isso (quem dera!), avisarei vocês 😉

O melhor e o pior de 2017: filmes (e um pouquinho de séries)

E como continuação ao último post, em que falei dos melhores e piores livros de 2017, aqui vai um pouquinho do que achei dos filmes que passaram pela minha vida esse ano!

Vale dizer que de uns tempos pra cá, especialmente esse ano, em que abolimos de vez a televisão em casa e ficamos apenas com o Netflix, ando assistindo também a muitas séries, mas ao contrário dos filmes, que tenho anotados todos direitinho no Letterboxd, não guardo muito bem quais foram aquelas séries que realmente vi no ano. Por isso, antes de ir aos filmes quero só dividir que esse ano vi a melhor série dos últimos tempos, a única série de heróis que realmente mexeu comigo na vida: Legion. Estou apaixonada pelos roteiros do Noah Hawley, o que também me motivou a ver as três temporadas de Fargo (gostei muito da primeira e da terceira) escritas por ele. Não sei nem como fazer uma boa resenha delas, de tão excelentes que são as duas séries… mas acho que ajuda dizer que ando chata pra tudo, cricri, achando tudo mais do mesmo, sem me animar com nada novo em termos de cultura pop [ainda não sei se é coisa da idade, se é fase ou se a qualidade das coisas produzidas estão realmente muito ruins ultimamente]. Mas essas séries tiveram a capacidade de me prender do começo ao fim, a ponto de eu ficar chateada quando chegava o último episódio. Tudo isso vale também para a nova temporada de Black Mirror, que estreou há uns 2 dias (e já assisti a todos os episódios!). Caso não tenham visto essas séries, ficam como recomendações para 2018!

Então sigamos para os 95 filmes que vi esse ano. Lembrando que, assim como com os livros, não estou considerando filmes que vi pela segunda (ou terceira ou quinquagésima primeira vez) e nem filmes que não assisti inteiros (alguns deles inclusive porque eram MUITO RUINS, talvez piores que os considerados piores do ano), dormi no meio ou vi “mais ou menos”. Ah! Também desconsiderei Billy Elliot Live, uma peça musical filmada, porque de acordo com o especialista aqui de casa (o marido Julio) isso “não é um filme”. Então tá!

Então vamos aos

5 piores filmes de 2017:

#5 Cry Baby (1990)

O ruim desse filme é que não sei se ele é ruim porque quis ser ruim ou porque é ruim, mesmo.

#4 Passageiros (2016)

Um relacionamento abusivo no espaço sideral gravado como linda história de amor.

#3 Deus Não Está Morto 2 (2016)

Um filme cristão ofensivo (especialmente?) para mim, que sou protestante. Faz sentido? Para ler minha resenha (em inglês) em mais detalhes veja aqui.

#2 The Rocky Horror Picture Show: Let’s Do the Time Warp Again (2016)

Apenas mudando as atuações e os atores, o filme conseguiu ser mais careta e mais imoral que o original – ao mesmo tempo. Uma tragédia total. Por favor, não façam a time warp de novo.

#1 No Topo do Poder (2015) – O PIOR DO ANO

Minha relação com cenas pesadas em filmes é mais ou menos assim: se elas servirem a algum propósito, tá tudo bem. Mas aí chega esse tipo de filme, o pior tipo possível, na minha opinião. Que é o tipo de filme em que você percebe que ele é nojento e doentio e que as cenas mega-pesadas não serviram a propósito algum só quando chega no final. E aí você não consegue mais o tempo perdido de volta.

 

e agora, os 10 melhores filmes de 2017:

#10 Tickled (2016)

Um documentário sobre o submundo de um fetiche em relação a CÓCEGAS! Esse foi o ano dos documentários esquisitos. O mundo é mesmo muito esquisito. Isso pode dar medo ou ser mágico!

#9 La La Land: Cantando Estações (2016)

Um musical atual que não é um lixo horroroso!!!! Aleluia, irmãos!

#8 Fragmentado (2016)

Um filme-montanha russa que fala de um assunto extremamente delicado de uma maneira genial. De tirar o fôlego (e o James Mc Avoy é meu crush eterno).

#7 Mulher Maravilha (2017)

Não percebi o quanto ele era bom enquanto o assistia, mas sim quando saí do cinema me sentindo bem. Uma sensação gostosa que eu nunca tinha tido antes, ao ver uma mulher heroína representada sem estar dentro de um estereótipo específico. Uma sensação nova e importante que não consigo explicar. Deve ser muito legal ser homem e sentir isso com a grande maioria dos filmes que vê.

#6 O Ato de Matar (2012)

Mais um dos documentários malucos que vi em 2017. Mais um exemplar de filme que eu gosto não por conta de alguma tecnicalidade, mas sim pelo sentimento que fica quando os créditos sobem. É um documentário que enche de esperança e desespero AO MESMO TEMPO.

#5 Invasão Zumbi (2016)

A sensação residual é exatamente a do meu sexto filme favorito (esse logo aqui em cima). Você sai do filme destruída. Só gostei um pouco mais dele do que do filme acima porque esse aqui é mais fantasia, é muito doido e… tem zumbis. Eu adoro zumbis.

#4 Moana: Um Mar de Aventuras (2016)

Eu sinceramente não sei se esse filme mantém essa posição se eu assisti-lo novamente, mas… devo lidar com as notas que dei assim que o assisti em algum momento desse ano, né? E afinal Disney é Disney. Ainda tenho paciência para suas animações. Ainda amo musicais. E a história falou muito comigo e com o livro que escrevo. Então é isso. Quarto lugar!

#3 Zootopia (2016)

Mesmo ponto do filme acima (exceto a parte do “amo musicais”), mas acho que ele realmente se manteria aqui depois de uma reassistida. Gosto muito de como eles pegam um tema complexo e jogam na nossa cara num desenho que na teoria seria para crianças.

#2 Amantes Eternos (2013)

Gosto muito de como o quase-melhor filme do ano tem o mesmo ator do meu pior filme do ano. Uma história diferentosa sobre vampiros, que na verdade se revela uma linda (e estranha) história de amor, com uma pegada ambientalista. Só vendo pra sacar.

#1 Guardiões da Galáxia – Volume 2 (2017) – O MELHOR DO ANO

Porque é do bem e é divertido pacas. E não é isso o que a gente quer para a vida, afinal? 🙂

Agora acho que acabou! Um 2018 feliz pra todos nós! Com muitos filmes bons (e mais ainda histórias reais boas!!!!).

 

O melhor e o pior de 2017: livros

2017 foi (já pode falar no passado, eu permito) um ano esquisitinho. Não gostei muito dele, não. Não aconteceu nada de realmente ruim, felizmente. Pra falar a verdade, até conquistei umas metas bacanas materialmente falando. Só que foi um ano de muita expectativa frustrada, de ideias que pareciam promissoras e que falharam miseravelmente. E isso não me deixou, assim, extremamente animada. Basicamente, podemos dizer assim: como eu sempre opero na tirinha do Calvin aqui em cima (felicidade não é suficiente pra mim, eu exijo euforia), não me contento com pouco e senti falta de um pouco de euforia por aqui.

É claro, é claro, ficar grávida foi a mudança mais louca e legal dos últimos anos. Mas depois da descoberta, pensem vocês que a gente entra num estado de… espera. Digamos que passei mais da metade desse ano enjoada e esperando. Esperando e vomitando. E vida em standby sempre me tira do sério. Ou pior: me coloca no sério. Eu fico séria, sem graça. E enjoada. Quero é que essa menininha chegue logo!

Mas divago. O que quero dizer é que anos ímpares sempre são chatos pra mim, enquanto anos pares tendem a ser S-E-N-S-A-C-I-O-N-A-I-S, então não vejo a hora de que 2018 comece, porque vou pegá-lo de jeito e transformá-lo em pura euforia.

E esse foi meu resumão de 2017. E é pra não terminar os posts desse ano com um post chato assim que vou fazer algo que sempre me recusei a fazer (afinal, categorizar o ano pelo tanto de cultura que consumi sempre me pareceu meio vazio): vou fazer uma lista do melhor e pior de 2017 apenas em termos de leituras, séries e filmes. 🙂 Vou aproveitar que terminei hoje a leitura do último livro do ano (porque acho que em 2 dias eu não termino mais um, não) e começar pelo resumo dos livros do ano.

Esse ano eu li 20 livros, um número redondinho, bonitinho. Desses 20, 4 deles foram releituras. Foi um bom ano para releituras, em que reli 3 dos meus livros favoritos (Alice no País das Maravilhas / Através do Espelho, A História Sem Fim e Dicas Úteis para uma Vida Fútil – Um Manual para a Maldita Raça Humana), só para descobrir que eles continuam meus livros favoritos. Reli também um livro bacana, mas não assim tão incrível, o Cabeça Tubarão. Assim, tirei eles dessa lista, já que ficaria injusto.

Então, com esse corte feito, vamos aos livros que mais gostei e aos que mais detestei esse ano, começando pelos

3 piores livros de 2017:

#3 House of Leaves, de Mark Z. Danielewski

O terceiro pior livro do ano me deu uma canseira absurda. E me irritou porque é daqueles livros cuja ideia é sensacional, mas cujo autor ficou tão obcecado pela ideia que ficou lustrando ela, mas esqueceu de uma coisa básica para um livro: torná-lo LEGAL. É um livro difícil de ler, com idas e vindas pelos capítulos e labirintos e cartas e promessas… até que você chega no fim e fala “mas, tudo isso… pra isso???”. No meio do livro, você sente que está trabalhando, e não se divertindo. E taí uma coisa que me dá preguiça. Sou mais ler aqueles livros da coleção Eu, Detetive ou “mais um livro do gênero Enrola e Desenrola”. Lembram dessas séries SENSACIONAIS????? Pois é. Deu saudades. Mas, vamos lá. Tiveram coisas piores esse ano, como

#2 A Biblioteca Invisível, de Genevieve Cogman

Tive o (des)prazer de terminar esse livro hoje, encerrando o ano de forma bem azeda. Digamos que não é um livro essencialmente RUIM. Ele só se esforça tanto para ser legal que fica cansado, coitado. É um tal de zepelins pra cá, roupas vitorianas pra lá, misturadas a lobisomens, vampiros e um dragão sexy (?). E a autora cria um universo fantástico tão sem graça e cheio de regras sem sentido que dá vontade de chamar ela para uma conversa, pra contar que se o universo fantástico é dela, ela não precisa ser assim tão restrita. Nessa conversa, eu perguntaria de quebra POR QUE RAIOS ela escolheu fazer uma protagonista mulher se a moça age de forma completamente dependente da aprovação de homens (que “sabem falar de forma sensata e calma com mulheres histéricas”, nas palavras da autora) e está sempre incomodada com a sua vilã, porque ela usa roupas mais bonitas que ela. Mas até que essa protagonista dependente foi maravilhosa, se eu compará-la com o teor do PIOR livro do ano para mim, que foi

#1 1Q84, de Huraki Murakami – O PIOR DO ANO

Sem comentários, deixo minha resenha no Goodreads continuar o trabalho por mim. 

 

Mas vamos falar de coisa boa. Aqui vão os 5 melhores livros de 2017:

#5 Count Zero, de William Gibson

Uma narrativa toda sujinha, num universo cheio de drogas e personagens metidos a mauzinhos. Eu gostar dos livros do William Gibson não faria sentido nenhum, especialmente sabendo que não sou muito fã de ficção científica (já tive brigas com meu marido porque não consigo gostar de Ray Bradbury!!!). Mas uma coisa nele sempre ganha meu coração: o cara SABE ESCREVER. As descrições são uma delícia de ler. Os personagens são coerentes, e cada um tem um tom diferente, não são todos iguais, como em muitos livros. Eu consigo imaginar de forma vívida o universo descrito por ele. E tudo isso me prende, independente da trama. Nesse livro, por exemplo, não achei a trama muito atrativa, até me perdi um pouco no meio (eu gostei mais do primeiro livro da trilogia)… mas a escrita é tão boa que não consigo largar. Ponto pra ele.

#4 Vinte Mil Léguas Submarinas, de Julio Verne

Um clássico é um clássico é um clássico é um clássico. Julio Verne é outra delícia de ler. Mas o que fez ele ficar aqui na lista dos 5 melhores (enquanto A Volta ao Mundo em 80 Dias, outro livro que li esse ano, não conseguiu) é o bom e velho personagem sonhador e obstinado que tem uma meta estranha na vida e vai a extremos para conquistá-la. Adoro esse tipo de gente. Sim, eu tenho um crush no capitão Nemo.

#3 Letters of Note: An Eclectic Collection of Correspondence Deserving of a Wider Audience, de Shaun Usher

Sigo o blog desde antes de ser livro (olha como sou tendência!). Comprei esse livro de presente para meu marido. Ele não leu. Esse ano decidi tirar o livro do criado mudo dele e ler essa obra de arte. É sensacional, inspirador e esteticamente muito bonito. Um trabalho de pesquisa excelente numa curadoria muito bacana.

#2 Welcome to Night Vale, de Joseph Fink e Jeffrey Cranor

Esse livro tinha TUDO para ser o melhor do ano, mas o final dele é meio xarope, meio perdido. Assim, recomendo a quem for lê-lo que o abandone antes do fim, ou algo assim. Mas tirando o final, é realmente o melhor do ano! É um livro que se passa no universo de um podcast megafamoso nos Estados Unidos. Curiosamente, também li o livro com os episódios do podcast e achei eles meio chatinhos, mas o universo criado pelos autores é maravilhosamente surreal e profundo, meio como um Guia do Mochileiro das Galáxias um pouco mais elaborado e moderno. É daqueles livros fantásticos que inventam regras próprias, mas não precisam ficar explicando elas a todo momento. Você simplesmente cai naquele universo e acredita nele. Pra quem procura um livro bem diferentoso, vale muito a leitura!

#1 No Urubuquaquá, no Pinhém + Manuelzão e Miguilim (os primeiros dois livros do Corpo de Baile), de João Guimarães Rosa – O(S) MELHOR(ES) DO ANO

Tive que dar uma roubada no jogo, porque na realidade são dois livros, e embora os dois sejam parte da mesma trilogia, não cheguei a ler o terceiro da trilogia esse ano ainda. Porém, os dois chegaram à lista dos 5 melhores, e achei por bem dar mais variedade a essa listinha e juntar esses dois num só. Feliz pelo único autor brasileiro das minhas listas ser justamente o melhor de todos. Mas é que é o Guimarães Rosa, né, minha gente? O cara que me faz ler um livro de contos (dois, no caso), com o maior prazer, mesmo eu tendo pavor de livros de contos. Gosto do Guimarães Rosa porque o cara é um gênio. Consegue escrever bem sem esforço – e morro de rir dos meus contemporâneos que, hoje, tentam imitá-lo (sim, são muitos!!!) se esforçando demais e quase me matando de tédio com seus neologismos forçados. E taí: mesmo com alguns contos um pouco chatos e difíceis de ler, ele se mantém aqui, no topo, mostrando novamente que pra mim… um clássico é um clássico é um clássico. Não resisto a um.

Logo mais, boto os filmes do ano aqui! Até dia 31 de dezembro à meia noite ainda devo ver mais umas dúzias de filmes, então só volto quando tiver certeza de ter visto todos os filmes a que tive direito esse ano!

🙂

Pra falar a verdade, são dois bebês

Não gente, calma. Não terei gêmeos.

Mas é verdade: tenho dois bebês. Um é minha filha que está pra nascer. O outro é um outro bebê que também ainda não nasceu, embora seja mais velho que a filha que vem aí.

Pausa para que vocês não entendam, levem um susto, achem que estou falando em algo espiritual ou que, sei lá, eu finalmente enlouqueci.

Nada disso.

Estou falando do meu livro. Meu livro, que é quase como um bebê que venho gestando há quase 20 anos. 🙂

Fato é que a vida, o cosmos, eu e tudo mais acabamos fazendo com que os aguardados nascimentos de ambos (o filho-livro e a filha-filha) acabem culminando no mesmo período. O que quer dizer que sim, estou no fim de duas gestações ao mesmo tempo. O que quer dizer que muito em breve eu terei condições de finalmente cumprir o objetivo final desse blog (criado há 10 anos atrás), que era o de um dia poder virar escritora, correr atrás dessa vida, meu verdadeiro sonho, meu chamado. Me apresentar como Francine Guilen, escritora.

E vai ver é por isso que… confesso que ando mais apavorada com o filho-livro que com a filha-filha. Sim senhores. O nascimento do livro me tira mais a minha paz que o nascimento da pequena Rebeca. E já explico para vocês aí atrás que já estão procurando a caixa de comentários desse post e preparando os dedinhos para escrever algo como “QUE ABSUURRRRRRRRDO VÁ BUSCAR JESUS”. Não, seus malucos, o caso é simples: a filha é biologia, é natureza, é Deus, eu sei que ela vem. Ela vai nascer, eu me sentindo pronta ou não. As coisas estão fluindo, estou segura, estou bem. Eu sei que vou amá-la. Eu sei que de um jeito ou de outro ela vai dar um jeito de nascer. Afinal, bebês foram projetados para sair de dentro das mães. Bebês vêm. E ainda contam com a ajuda das pessoas ao redor para que tudo esteja lindo. É orgânico. Bebês acontecem.

Mas os livros? Acontecem?

Não. O livro não acontece. Ele depende 100% de mim, a força é toda minha, a responsabilidade é coisa minha. E não, com o livro, não tenho como pedir para meu marido “me ajudar a cuidar desse parágrafo por algumas horinhas enquanto saio pra fazer as unhas”. Minha mãe não vai viajar do interior até aqui só pra me ajudar a trocar as páginas sujas do livro. O livro não vai fazer o menor esforço para nascer sozinho. Livro é assim: ou eu faço ele nascer ou ele não nasce. Pronto. O pior? Nem sei se depois de todos esses quase 20 anos de gestação eu vou chegar a amá-lo.

Nesse clima de confissão, aproveito pra dividir que faz 20 dias que eu me permiti começar minha licença maternidade, a licença maternidade-sabático de 6 meses que eu me dei de presente para ESCREVER O LIVRO, para parir esse outro filhinho.

E eu travei.

Há 1 ano, eu comecei o processo de reler o livro, há 1 ano estou arrumando graves problemas estruturais dele (o que realmente tem se mostrado super necessário). Até aí, maravilha.

Há poucos meses, fiz um quadro com post-its que está aqui pendurado na parede, colado por meio de fitas-crepe. Quase chorei de felicidade e orgulho quando terminei esse quadro. Um quadro completinho, que narra passo a passo o que eu tenho que escrever para esse livro nascer.

Mas aí, todo final do dia, olho para o quadro, o quadro olha pra mim (até já está meio rasgado, pelo vento e pelo tempo) e percebo que mais um dia se passou sem que eu escrevesse o livro.

Fato é que estou evitando meu livro.

Será que é medo de ser mãe de dois bebês ao mesmo tempo?

Será que é sem-vergonhice?

Será que será que será?

Pré-natal

Fez calor, faz chuva e essa semana foi abafada em vários sentidos. Já falei da relatividade da gravidez aqui e posso dizer que pra mim ela tem sido bem cheia de personalidade, contrariando aquelas lindas palavras da internet que dizem que “o enjoo passa depois dos 3 primeiros meses”. Estou aqui, no oitavo mês, ainda vomitando. E as coisas pioram porque sei que esse sintoma vem em parte por causa da minha ansiedade e finalmente estou aprendendo nessa vida que quem é ansioso sempre será ansioso porque os motivos para a ansiedade sempre existirão. Ansiedade não é fase. É sempre. Sempre vai existir uma razão para se estar ansiosa (e por isso mesmo nunca existe razão para se estar ansiosa, eu sei disso, é o que tento pensar etc). Sou dessas que raciocinam mais ou menos assim: AI MEU DEUS PRECISO FAZER O QUARTO DA BEBÊ, OBA AGORA ESTOU FAZENDO O QUARTO DA BEBÊ MAS FALTA TANTO e agora, ao olhar o quartinho ficando pronto, em vez de ficar tranquila começo a berrar mentalmente FALTA MUITO POUCO PARA TER UMA BEBÊ AQUI DENTRO MAS E AGORA O QUE FAÇO, PORQUE ESTÁ FICANDO REAL E NÃO SEI COMO FAZ (mesmo que tenha sido real desde o começo etc.), aí vomito mesmo, vomito todo esse medo e assim vamos indo. Mas não posso reclamar porque graças a Deus estamos saudáveis e tudo está ficando lindo etc.

Ainda sobre a gravidez, esqueça tudo o que seus amigos moderninhos, práticos e prafrentex dizem sobre roupas de gestante: porque essa história de que é cafona, é antigo e gasta dinheiro é mentira. Na minha opinião, cafona é ficar com a barriga vazando embaixo daquele camisetão velho. Eu estava me achando muito esperta por não ter comprado muitas roupas de gestante até o momento em que abri meu guarda-roupa e descobri que nada mais me servia. Vestido virou camiseta, camiseta virou piada e saia então, não sei mais o que são. Aí comecei a ver A Maravilhosa Sra Maisel e a cada novo figurino desfilado na série (para tudo, o que é o figurino dessa série???), lágrimas rolavam por mim e pela barriga afora, enquanto eu pensava “quando é que vou voltar a me vestir bem novamente?”. Terça feira mandei tudo às favas. Fui com minha mãe à boa e velha José Paulino e comprei quinhentas e cinco mil roupas de grávida (e todas bonitas, sem desenho de bebê espiando por meio de um zíper, E VOCÊS SABEM DE QUE ESTAMPA ESTOU FALANDO). Mesmo tendo apenas 1 mês e meio de gestação pela frente. Porque essa sou eu. Essa sou eu, agora uma grávida extremamente bem vestida. E pelo jeito eu precisava mesmo. Porque a cada novo vestido que eu provava, minha mãe soltava um “agora sim você está bonita”, o que quer dizer que provavelmente nos últimos meses andei por aí parecendo uma bexiga de festa infantil tentando se enfiar dentro de uma roupa de Barbie.

Em outras notícias, teremos o primeiro Natal da família Guilen-Almeida (leia-se eu, Julio e Rebeca) aqui em casa, sozinhos. Eu nunca comemorei o Natal porque acredito que o nascimento de Cristo é muito mais sério do que árvores iluminadas e velhinhos vestidos em roupas vermelhas e neve falsa e panetone e convenci meu esposo que também não fazia sentido ele comemorar, já que ele acha exatamente o contrário etc. Aí que será nosso primeiro Natal-do-nosso-jeito e decidimos por algumas coisas:

  • Vamos finalmente começar a comemorar oficialmente o Festivus. Incluindo o bolo de carne e tudo o que temos direito. Já temos até playlist pronta. O que dizer? it’s a Festivus for the rest of us!
  • E vamos comer pão com salame no dia 24 de dezembro. Porque pão com salame é inconscientemente minha tradição de natal desde muito tempo. Meio que uma piada interna de uma família que não comemora Natal e que não quer fazer um jantar chique no dia, bem num dia em que tudo está fechado… e aí acabamos comendo o que tem em casa. Ou no quarto do hotel (porque adorávamos viajar no Natal, tudo vazio e normalmente barato), o que sempre nos levava às últimas padarias abertas da região comprar pão e salame, comido sem muito glamour em cima do frigobar. Era necessidade, virou piada, pra Rebeca vai ser tradição.
  • Aí no ano novo vamos comemorar como manda o figurino (menos de branco, pois eu me recuso), porque AMO ANO NOVO!
  • Postarei fotos aqui. Especialmente do Festivus, porque estamos empolgados.

E desculpem pelos posts diarinho, ainda estou me acostumando com minha nova rotina de licença maternidade e sigo tendo um pouco de dificuldade de realmente escrever meu livro. 🙁

Na semana que vem devo levar meu computador para a praia (saliento aqui que praia é uma escolha forçosa, já que somos santistas e vamos para a praia no fim do ano por causa da família – por mim, eu passaria o fim do ano na montanha, ah, passaria) e devo fazer uns postzinhos com listas de melhores livros e melhores filmes de 2017 enquanto estiver por lá, escondida do calor no ar condicionado.

Se não nos falarmos até o Natal, felizes festas pra quem é de festas!

Uma foto minha de vestido novo e sem cabeça, porque vocês não iam entender a cara que eu estava fazendo nessa foto. Mas o quartinho está ficando lindo, não?

Plantinha, carro, a arte de matar e a vida, essa grande aventura

Essa semana teve:

 

  • Essa lojinha de plantas que eu já conhecia “de internet” e agora abriu perto de casa. É bonita, gostei do atendimento e achei os produtos menos caros do que achei que seriam. No sábado, compramos uma plantinha + um vasinho + um regador + um adubo e agora nossa casa está ainda mais viva.

 

  • O Carro Fácil da Porto Seguro, o esquema que nos animou a finalmente ter um carro. Como falei no post anterior, agora vou poder usar as desculpas do “não vou, estou sem carro” ou do “hoje não, é meu rodízio”. Me sinto chique.

 

  • O documentário Act of Killing. Um dos filmes mais marcantes que vi nos últimos tempos. Resumindo, a equipe do documentário encontrou famosos matadores da Indonésia – políticos que exterminaram milhares de pessoas, entre comunistas e chineses – e os convidou a reencenar as cenas de matança que eles protagonizaram. Acredito que (como todo filme) vai tocar cada pessoa de uma maneira diferente – no meu caso, terminei o filme com uma sensação mista de “esse planeta está errado, quero sair daqui” com “humanos são humanos são humanos são humanos”. É chocante, é bonito. Tem no Netflix. Veja.

 

  • E essa cena de filme aqui. Eu estava aqui pensando em qual seria o tema do chá de bebê e lembrancinhas de nascimento da Rebeca. Até que me lembrei de uma frase de um dos filmes favoritos aqui de casa: Hook (A Volta do Capitão Gancho). A frase é uma adaptação de uma frase do livro Peter Pan e é falada na cena final do filme. Pra mim, esse filme é de chorar do começo ao fim e me lembra o quão fácil é esquecer que um dia tínhamos certeza de que não íamos crescer. Meu desejo é que a Rebeca e cada criança nova no mundo renasça a criança dentro de cada um de nós. Só assim e sempre assim, viver será uma grande aventura!

 

E uma aventura que pede muita, mas muita calma.

 

Nota: esses links não são patrocinados, são coisas das quais eu gosto genuinamente. Se algum dia eu postar links de coisas que eu goste genuinamente e ainda começar a ganhar dinheiro com isso (quem dera!), avisarei vocês 😉