correndo muito

Atualizando o post de 20 de maio. Actually, estou mais pra isso aqui:

Mas sempre dá tempo de compartilhar coisas lindas:

Sim, estou amando cada possibilidade da minha pós de design estratégico!

não entendeu as palavras?

Já tentou SENTIR o significado? Foi o que senti ao ver esse filme rapidinho com a visão do gênio William Shatner sobre Shakespeare.

 

correndo

o trem representa minha nova rotina, a mocinha sou eu.

ótima semana – e inspire-se quem puder!

O que é um pontinho colorido pulando no banheiro?

Só quem já passou por isso sabe o que é receber um e-mail superfofo da cliente elogiando seu trabalho direto para seu diretor de criação. Porque todo ponto tem seu contraponto. (:

Foi sobre um novo trabalho bacana da agência que foi ao ar essa semana. Amei idealizar e criar esses posteres para ele. Obrigada e parabéns pra todo mundo!

O que é um pontinho colorido chorando no banheiro?

Só quem já passou por isso sabe o que é estar na TPM e o diretor de criação reprovar sua ideia às 19h.

Três Palitos | Marilúcia Guilen

A proposta da série Três Palitos é mostrar como pessoas das mais diversas áreas lidam com seus processos criativos e ouvir alguns causos inspiradores ao pé do fogo. São 3 perguntas relacionadas à criação respondidas de forma rápida e gostosa de ouvir!

Tá a fim de participar? Manda um e-mail pra mim!

É claro que não ia deixar o dia das mães passar sem uma homenagem à minha mãe. Ela me deu a honra de responder à minha entrevista e derreteu meu coração.

Blog sobre a vida | Blog sobre a cozinha | Supimpa

Artista desde que nasceu, ela já passeou por diversas áreas, explorando tinta, pincel, tecido, isopor, panelas, textos e até um pouquinho de música. Sim, essa eterna criança de 51 anos já fez e faz desenho de moda, festas infantis, quadros premiados em pequenos e grandes salões, ilustração de livros infantis, estamparia de tecidos, estêncil, craft dos bons, sabe tocar teclado, é a melhor cozinheira que conheço, é minha sócia na Supimpa, dona de um ateliê, professora de arte em vários Sescs e agora anda toda blogueira, com o Peripécias da Lu e o Peripécias na Cozinha. Isso tudo sem contar suas maiores criações: eu e minha irmã, que daqui a pouco estará criando um novo membro da família. (: 

1. A INSPIRAÇÃO

  • de situações que vem de fora, vicenciadas no cotidiano. Exemplo disso é a ilustração quando o Brasil perdeu a copa do mundo, em que eu sentia as pessoas na rua com aquela cara de “natureza morta”
  • sob “pressão”, quando surge a necessidade de fazer algo movido por um projeto ou tema. É o caso da ilustração de um conto infantil em que tive que fazer várias ilustrações. A inspiração tem que acontecer, transpirando ou não, e funciona prá mim.
  • De emoções e percepções que vêm de dentro: esta é uma inspiração natural que nasce da inquietação, aflora e toma “corpo” geralmente antes de pegar no sono; quando estou no telefone falando com alguém e rabiscando ao mesmo tempo; e nas minhas anotações quando estou viajando.

2. O BLOQUEIO

Foi quando recebi o primeiro capítulo de um conto infantil que eu iria ilustrar pela primeira vez. Depois de ler o capítulo é que me dei conta da minha tarefa. Entrei em pânico. Deu uma vontade de voltar atrás, desfazer o contrato, mas já era tarde. Texto na mão e o papel em branco na minha frente. Afinal eu tinha que selecionar trechos do texto para transformar em imagem. Daí o bloqueio. Não saía algo que me agradasse. Desenhei e esbocei muito. Processo criativo é criativo e não “copiativo”. Desenhei menina sem nariz, com boca, sem boca, magra, gordinha, com pinta, sem pinta, de todos os jeitos e não chegava a lugar algum. Bastou alguém dizer que em meus esboços as meninas pareciam pessoas da vida real. Eureka!! Bastou isso. Tinha uma gravura minha guardada representando uma menina dos cabelo espetados. Inspirei-me nela depois da crítica e pronto! Adeus bloqueio. Bastou isso para eu criar minha primeira personagem, chamada Lívia. Quando terminei todo o conto, a personagem principal já era minha “filha”, e terminá-lo me pareceu perder uma companhia. Muitas vezes eu me pegava rindo sozinha ao esboçar alguma cena engraçada.

3. O PODER CRIATIVO

Acho que vim ao mundo com uma missão: divertir as pessoas e me divertir com meu trabalho. Acho uma delícia fazer o que gosto e isso passa muita energia positiva para mim e para quem aprecia. É isso, quero que as pessoas continuem se divertindo com meus trabalhos e sintam que a vida pode ser tão leve como uma brincadeira. Eu me divirto!!!

E a gente também, mamãe, te garanto e te amo. Feliz dia das mães. Seu presente está aqui:

Outras faíscas:

Banda GentilezaTrupe Chá de Boldo

E mais presentes!

Recentemente, fiz um post com coisas legais para se dar de presente a um escritor. Aqui vai a segunda parte do post, com ideias bacanésimas que encontrei no Knock Knock! Vê se não são superinspiradoras.

Crianças resenham Radiohead

“Ele não deve ter muitos amigos.”

“Ele vai roubar minha escova de dentes!”

Se você tiver que assistir a uma só coisa essa semana, assista a isso. Sério, uma das coisas mais engraçadas, fofas e concordáveis dos últimos tempos.

É que pediram para algumas crianças ouvirem e opinarem sobre a música Paranoid Android, do Radiohead. Para quem não conhece, aqui vai a letra:

Please could you stop the noise, I’m trying to get some rest
From all the unborn chicken voices in my head
What’s that…? (I may be paranoid, but not an android)
What’s that…? (I may be paranoid, but not an android)

When I am king, you will be first against the wall
With your opinion which is of no consequence at all
What’s that…? (I may be paranoid, but no android)
What’s that…? (I may be paranoid, but no android)

Ambition makes you look pretty ugly
Kicking and squealing gucci little piggy
You don’t remember
You don’t remember
Why don’t you remember my name?
Off with his head, man
Off with his head, man
Why don’t you remember my name?
I guess he does….

Rain down, rain down
Come on rain down on me
From a great height
From a great height… height…
Rain down, rain down
Come on rain down on me
From a great height
From a great height… height…
Rain down, rain down
Come on rain down on me 

TThat’s it, sir
You’re leaving
The crackle of pigskin
The dust and the screaming
The yuppies networking
The panic, the vomit
The panic, the vomit
God loves his children, God loves his children, yeah

E o vídeo cheio de opiniões geniais segue abaixo. É o que acontece quando você coloca sua criação sob a mira dos críticos mais espontâneos do mundo: as crianças. Você tem coragem? 😀

E se você foi um bom menino e viu o vídeo acima, um bônus: cachorros ouvindo músicas tristes. Que pecadinho!

Psicologia Positiva

Já ouviu falar nisso? (: É uma corrente mais nova da psicologia, que dá um novo viés a esse campo de estudo. Resumindo, não é focado na “doença”, nos problemas das pessoas e em como resolver isso, como um tratamento – mas sim nos pontos fortes e qualidades de caráter, reforçando as coisas boas e em como cada pessoa pode potencializar sua personalidade para ter resultados positivos e mais felicidade. Mas muito falei e pouco falei. Vale a pena ver essa conversa do Martin Seligman no TED:

 

um “it gets better” para criadores

Proudly powered by WordPress
Theme: Esquire by Matthew Buchanan.