Mindfulness, leitura e a mesa do jantar

Apenas um pensamento que me acometeu hoje, enquanto lia um texto interessante e, no meio da leitura, já pensava se valia a pena compartilhá-lo ou não.

Não sei se é alguma coisa que acontece só comigo, ou se vem acontecendo com vocês, também. Hoje percebi claramente que há tempos não vejo (especialmente leio) coisas na internet da maneira como lia antigamente. Agora, em todo e qualquer texto, eu me pego, a dois ou três parágrafos dele, já pensando: “que texto interessante! Onde vou compartilhar?”.

Aconteceu mais ou menos assim: era um texto no blog da Bust, uma revista feminista que eu assino há anos (sou feminista antes de ser moda novamente, hehe), que falava sobre como as capas de muitos livros hoje em dia são sexistas e por aí afora. Lendo o texto, estava achando bacana a essência do que foi falado ali (queria compartilhar em algum lugar – em questão de segundos minha mente checava se era um texto bom para ser compartilhado aqui, no Facebook, no Twitter, no Whatsapp ou no Skype para uma amiga que gosta do tema)… mas fui percebendo que alguns argumentos da autora eram ruins (aí já fiquei imaginando como eu iria escrever um textinho falando para as pessoas que porventura vissem meu compartilhamento, algo como VEJA BEM EU NÃO CONCORDO COM TUDO O QUE ELA DISSE etc). E pronto. Alguém me diz se eu estava realmente lendo o texto enquanto pensava em tudo isso? No final, minha conclusão foi que não valia a pena compartilhar o texto e que era o tipo de coisa legal para ser discutida na mesa de jantar com meu marido.

Quando pensei nessa terceira opção, percebi que loucura essa mania de querer compartilhar, mostrar, dizer. Que antigamente (e nem tão antigamente assim!), quando eu lia alguma coisa interessante, antes de sentir essa necessidade de encaminhá-la imediatamente e pendurá-la por aí como um poster-de-mim-mesma, eu digeria o assunto e o guardava lá até o momento em que fosse encontrar alguém legal para discutir sobre ele. Na mesa do jantar, na cama antes de dormir, no bar…

Enfim, não acho que isso seja o apocalipse e sei o valor do compartilhamento de informação. E não, esse texto não quer conclamar o óbvio do “AS PESSOAS NEM LEEM MAIS E COMPARTILHAM SÓ A MANCHETE”. Isso aí é fato sabido. O que me bateu hoje foi a aflição de ler um texto, sim, completo e direitinho, mas com o cérebro metade no texto, metade no VOU COMPARTILHAR.

O pior? Mesmo lendo revistas e livros me pego de vez em quando querendo tirar fotos de trechos pra publicar no instagram. Pra mim, não existe mais leitura solitária, sem necessidade de aprovação ou de mostrar pro mundo o-que-sou.

Decidi, então, começar a exercitar mais a atenção plena na leitura.

Ee se você já está pensando em compartilhar esse texto, talvez você precise disso também. 😀

 

Um dia quem sabe nos encontramos numa mesa de jantar e discutimos mais esse assunto pessoalmente.

olha quanta gente arranjando assunto para o jantar.

Proudly powered by WordPress
Theme: Esquire by Matthew Buchanan.