sobridade

Sobre idades: só recentemente parei (ou estou tentando parar, é difícil) com uma encrenca mental de que a vida é feita de infância-adolescência-fase adulta-velhice e morte e só pode ser enxergada assim. Desse ponto de vista, quem morre aos 30 anos não teve uma vida completa, e isso não existe. A vida se completa assim que a gente morre, independente da idade, então como a vida é doida e podemos morrer a qualquer segundo (ufa, não foi esse, esse também não, olha, tou viva ainda) um raciocínio bacana é pensar assim: minha biografia já está completa. A cada segundo sua vida é essa, pronta e empacotada e quando rolar o ponto final é porque a história já estava lida e linda, independente se você já construiu um império ou não.

Isso ajuda a não pirar, a não focar  a vida apenas na espera de alguém que não vem e a olhar pra esse link de um jeito diferente.

Preparado?

Clique, conte quantos anos você tem e veja as coisas que pessoas realizaram quando tinham a sua idade.

E depois vale a pena ver esse vídeo que me faz meio que chorar sempre que assisto:

 

One Reply

  • Nós temos mania de ponderar tudo com o tempo né? Sei lá, parece que a gente só entende uma coisa que começa em determinado momento e termina em outro. Não consideramos as intermitências. Acho que a vida de todos nós é uma delas: sem espaço preciso pra ocupar. Adorei o vídeo e descobri que o Charles Chaplin já tinha aparecido em 35 filmes na minha idade =0

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.