meu livro é a Maísa.

nesse final de semana (tipo, ontem) meu livro chegou à página 40 (no Word, tio), no capítulo 10. Aproveitei que tava lá e acabei relendo.

Foi então que gritei

JESUS. MEU LIVRO É A MAÍSA.

Porque, como não canso de repetir, a idéia dele tá pronta desde 1999, por aí. Eu tinha, o que, uns 12, 13 anos. E não é subestimando minha dozeanice, mas é fato: ele veio de uma idéia criança. Infantil, simples e batida. Daí eu cresci agora sou mulher e continuo insistindo nela, sabe-se lá porque. Só que estou escrevendo essa idéia que nem gente grande. Com firulas, formulações esquisitas, palavras difíceis, toda essa coisarada.

E o bicho tá meio assim: um monstrinho.

A Maísa Silva com uma echarpe Vogue, bem isso.

Tomei uma decisão importante, é isso: encurtar essa história. Ela tem que ser escrita, isso já tá escrito, é inevitável, a fran’s gotta do what a fran’s gotta do. Mas não quero que ela demore tanto. Magina, ia ser uma trilogia, nesse passo o último volume sairia em 2089, com olheiras e cara de louco. Será uma coisa só, um tantinho mais básica.

E então… e então… rumarei ao próximo. Que espero que tenha a idade que aparenta. Ah, e que tenha um target também.

tá ruim, tá ótimo, tá ruim, tá ótimo, tá ruim, tá ótimo, tá ruim, tá ótimo, tá ruim.

burrice natural

desculpa, não deu. Conheço pessoas que estão envolvidas nesse projeto, eu relutei pra falar por causa disso, mas é mais forte que eu.

vi a campanha desta nova série da HBO, a tal da Encantada, e achei interessante. O que me chamou a atenção foi eles terem usado várias redes sociais nisso, incluindo aí um MSN. Como ex/atual “mídia social”, ainda tenho certo interesse nessa brincadeira, e achei muito legal a idéia de usar o messenger como parte da divulgação.

Na mesma hora em que vi no anúncio, adicionei a Alice no meu MSN, me perguntando “puxa, puxa, será que contrataram um estagiário pra falar em nome da personagem principal?”, “puxa, será que é um daqueles programinhas de inteligência artificial que desenvolve um diálogo legalzinho baseado nas suas perguntas?”

E a resposta às minhas indagações veio:

Franfran diz:
isso é muito ruim, misericórdia.
Alice – Blog atualizado diz:
Quer saber mais sobre Alice? É só digitar uma destas perguntas:

Quem é a Alice?
Quem faz parte do mundo de Alice?
Onde eu posso encontrar Alice?
Aonde Alice vai me levar?
Quem são os pais de Alice?

Ou então, para receber o conteúdo especial de hoje, mande uma mensagem com: “novidade”. Se rolar alguma dúvida, é só digitar: “?”.

Deixa eu ver se entendi: tem um robô no meu messenger, que me dá ordens. Ele vai responder qualquer pergunta que eu fizer. Desde que seja uma das que constam nesta lista.

Então por que eles não fizeram um HOTSITE COM UM FAQ? ou, pra ser assim bem modernos, um “viral” no Youtube em que a personagem responde essas questões numa entrevista?

mais barato e menos sorvetenatesta. prontofalei.

You either write it or you don’t. It’s as simple as that.

claro que não esqueci do meu livro. ele não me deixa esquecer, sempre fica martelando na cabeça “até você ter um filho ou uma idéia melhor que eu, eu sou o projeto da sua vida, sua imbecil”.

aí eu descobri alguns blogs de outras pessoas que contam seus processos criativos. e eles me inspiram e também não me deixam esquecer do meu livro. Tem um deles que é de um cara publicitário que conta sua saga em busca de uma editora para publicar sua obra. dia desses deixei um comentário por lá pedindo ajuda, e ele fez um post pra isso. Gostei bastante.

Ei-lo:

September 13, 2008

How long is long?

Yesterday, Franfran commented on this blog: I have an elementary problem: I can’t write my first book. I’m working on it for 7 years (SEVEN YEARS), and it’s just the beginning. Any tips for me in my despair? 🙁

Far be it from me to suggest I’m able to offer ‘tips’ to any aspiring writers (my lack of success kind of precludes me from doing that with any authority) but I thought it was an interesting dilemma.

How long does a book take?  How long should it take?  Are we saying from very first idea to final draft, or from first word on the page to last?

I went into the process of my own book in an earlier post, but from the initial idea to this point has been a minimum of four years.  I can’t remember exactly when the very first thought came into my mind, but there was a lot of gestation and crappy writing before I actually got anywhere, and it wasn’t until last year that I really took it by the scruff of the neck.  I don’t know for sure, but for a first-time author that feels about average.  I didn’t know what I was doing; I didn’t know how bad it was; I hadn’t developed any ways of working through problems; I was finding my feet.

For proper authors I’ll bet the time it takes to create a book varies enormously.  Barbara Cartland: five minutes.  JD Salinger: we’re still waiting.  They might have ten plots knocking around their heads simultaneously or carefully nurture a single story for decades.  This would appear to be another one of those fascinating grey areas that makes writing both maddening and satisfying.

From my point of view, the only ‘advice’ I could possibly give Franfran is that seven years is nothing if the book turns out right.  If someone could guarantee me that I’d have a really good book written in ten years’ time but nothing until then, I’d be delighted.  I’d also say the same thing I’ve said to several people who tell me they’ve got a great story that they haven’t written: the only person who can do this is you.  Once you accept that, it frees you from the yoke of the myriad excuses that are so easy to find. If you want to write a book there can be no excuses.  You either write it or you don’t.  It’s as simple as that.
That’s the fun bit of today’s post.  The dull bit is two more rejections (they’re reading/rejecting faster than they said they would): Darley Anderson and Coombs Moylett.  I might start sending a few more letters out.

então é isso mesmo. the only person who can do this is you.
eu sabia.

o homem que saiu do armário

“For the Conflux Festival Lucas Murgida will construct a cabinet on wheels and leave it on the sidewalk. The artist will hide himself inside and not reveal himself until someone assumes possession and brings the cabinet to their home.”

mais ações bizarras como essa (ou um pouco mais sensatas) estão fazendo parte do Conflux Festival, que essa semana vai colocar nas ruas de Nova York projetos de um monte de artistas com idéias legais. Coisas do tipo… um teatro de fantoches portátil. Rá!

Não gosto muito de usar a expressão gosto muito, mas gosto muito.

o pior bloqueio criativo da história

então, imagina que meu cérebro é uma laranja.

espremi tudo. sobrou o bagaço e as sementes.

tentei viajar, tentei ler mais, tentei ir ao teatro. mas as sementes não adiantaram nada.

sobrou o bagaço.

e agora? dicas são tão bem-vindas, que as recebo com festa, champagne e café da manhã.

Proudly powered by WordPress
Theme: Esquire by Matthew Buchanan.