desfoquei

virgem maria, desfoquei.

o Palitos era pra ser mais isso e menos “meu dia a dia como recém chegada ao mundo publicitário”.

Tá. Comprei esse livro aqui. Deve chegar daqui umas 2 semanas. Lá vem uma resenha.

Enquanto isso, visite o blog da menina, que ela é genial. Faço desse texto que ela fez pro Ítalo Calvino meu (digo, não meu. Dela. Mas enfim, aqui está):

“August 05, 2008

to the ghost of Italo Calvino

Hi.

It’s me again.

I know we’ve had our little episodes in the past. Thank you for them. I know at times you’ve frustrated me a bit, but I’m willing to let go of all that because you keep me on my toes. Let me just say that I know you like to mess from people because after a wrote about you several people wrote me and told me that you messed with them too.

But I think it’s great. Really I do. I like that you are keeping us on our toes and opening us up to things that we all would rather not pay attention to. Like the fact that books have a life beyond the author, and that they are in many ways animate things. I’ve always believed that, you don’t need to convince me any further.

But I digress. I am calling on you for another reason entirely. You see I’m working on a new book. It’s something that I think you would really like. Scratch the “think”. I know. And I would like you to come and help me with it. I don’t need you to write it for me, just lend me some of your spirit. That would be perfect. I’m willing to put up with any shenanigans that you would need to inflict on me, (including hiding my books and moving things around a bit.) I don’t mind one bit.

And if you could contact Bruno Munari while you’re at it, maybe he could come and help too. Together we can all make something really great.

That’s all for now.

hope to hear from you soon,
creatively yours,
keri smith

p.s. I miss you.

Posted by kerismith”

gênio.

a vingança dos coxinhas

Ai, esses publicitários. A gente adora fazer uma piada com as pessoas de firma. Afinal, firma não é hype e a gente é. Isso, bem aquela coisa de quem vive numa redoma e esquece que quase todo mundo aqui na terrinha trabalha em uma firma, afinal.

eu queria muito que um dia um Junqueira, Almeida ou Pederneiras da vida, com crachá pendurado no pescoço e tudo, apontasse pra gente e acabasse com a nossa raça.

E, a cada vez que passasse diante de um espécime de Allstars, Adidas, camisetas com frases engraçadinhas e cabelo cortado na Galeria, Almeida repetiria à exaustão, com voz em falsete

“- Comprei um Mac novo. Tesão, meu! Onde é o happy hoje?”

é, Almeida, assim é a vida. Cada qual com seu cada qual. Tesão, meu.

Mr. Hitler, we have bad news for you.

Quem me convenceu a usar o Twitter foi o @alimasp, com um approach interessante: “Você não precisa necessariamente twittar sobre o que está fazendo, comendo ou sentindo. Pode escrever uma porção de pensamentos aleatórios e ser feliz. Twitter é legal, as pessoas é que não sabem brincar com ele”.

Fui lá e fiz. O que eu não contava é que o Twitter é cheio de pessoas.

Prefiro não desenvolver meu assunto  falando que o Twitter é mais um dos sintomas autistas das 3 pessoas que formam a blogosfera e o mundo publicitário 2.0 porque o Hitler já fez isso:

Adoro mash-ups. Adoro vídeos que traduzem minhas idéias sem que eu precise sair da minha inércia  e acomodação e ter o trabalho de fazê-los.

PS: a dica do vídeo foi do mesmo @alimasp supracitado.

Proudly powered by WordPress
Theme: Esquire by Matthew Buchanan.